Japão: terra da delicadeza

Japão cerejeira e templo

Tenho tantas lembranças maravilhosas do Japão que nem sei bem por onde começar. Um país que nunca figurou entre meus destinos mais sonhados agora é para onde mais quero voltar.

Eu sei que é um clichê dizer que alguma experiência parece um sonho, mas como descrever a sensação de andar sob uma alameda de cerejeiras floridas em um cemitério num dia ensolarado? Ou de estar flanando por um bairro residencial e encontrar por acaso uma avenida cheia delas, flores flutuando com o vento que anuncia a chegada da chuva?

Durante dias, fiquei absolutamente fascinada pelas flores. E pela quantidade de gente que sai por aí a visitar as cerejeiras. Hanami – a atividade de contemplar a beleza das flores – é coisa séria e os trens ficam cheios de gente que sai de um canto para o outro do país para acompanhar a floração. Muitas árvores são famosas e há até um site que prevê a data de floração em cada canto do país.

Nós tivemos muita sorte, chegamos quando as árvores começavam a florescer, em dias de calor suave e céu azul em Tóquio. Depois fomos a Kyoto e as encontramos em sua plenitude enfeitando a entrada de praticamente todos os templos.

Terra da delicadeza

Tudo no Japão é encantador.

Em um pequeno templo em Tóquio, fora do roteiro mais conhecido, fui abordada por um senhora enquanto eu fotografava. Ela não falava inglês, mas gentilmente me guiou até um cantinho do jardim que havia passado despercebido e indicou um objeto de cerâmica que parecia um banco com um furo no assento. Com um objeto de bambu parecido com uma colher, ela pegou água ao lado e derramou delicadamente sobre a abertura. A água escorreu lentamente e seu movimento no interior da cerâmica produziu um delicado som de queda d’água natural, como se aquele objeto fosse uma cachoeira em miniatura. Uma caixinha de música da natureza. Eu sorri encantada, ela fez sinal para que eu experimentasse jogar a água. Repeti seus movimentos, novamente me encantei. Agradeci com um sorriso, e ela se foi, também sorrindo.

Japão jardim de peônias
Série Hanami, 2015 – Daniela Picoral

Em Nara, passeando em uma incrível floresta entre os templos, paramos para um lanche e fomos abordados por um avô e sua neta. Ouviram nossa conversa e ficaram curiosos para saber de onde éramos. A neta falava um pouco de espanhol, puxou conversa e nos fotografou. Alguns dias depois, a foto estava no meu e-mail. No mesmo passeio, quando saímos da floresta meio perdidos, um senhor veio conversar. Em um inglês perfeito, queria  se certificar que não iríamos embora sem ver O templo. Ele tinha razão, aquele lugar é mesmo imperdível.

As pessoas lá são assim. Podem não falar inglês direito, ou inglês nenhum, mas são gentis e dispostas a ajudar. O metrô é cheio, seus grandes corredores entre estações tem um ritmo frenético de gente indo e vindo, mas ninguém se esbarra.

Essa delicadeza também está nos detalhes: nas embalagens lindamente desenhadas (a gente fica com vontade de guardar todas as caixinhas), nos docinhos deliciosos (sem a quantidade doida de açucar a que estão acostumados os brasileiros), no matchá feito com atenção, na textura da madeira do chão do templo zen onde entramos descalços.

Não é à toa que a sakura, a flor de cerejeira tão delicada, seja tão importante nessa cultura.

Japão
Série Hanami, 2015 – Daniela Picoral

Japão da tradição

Eu esperava amar demais Tóquio, a metrópole gigante, das luzes e do agito, mas meu coração foi conquistado por Kyoto, a terra dos 1600 templos. Foi um emoção surpreendente entrar no Kiyomizu-dera, o templo na alto do morro do bairro de Higashiyama. Fomos bem cedinho, esperando chegar antes dos grandes grupos de turistas (tarefa bem dificil, já que a época das cerejeiras é das mais concorridas e a cidade fica literalmente cheia) e conseguimos experimentar o templo principal sem muito agito ao redor. Ali começava a viagem pelo Japão dos templos, da culinária kaiseki, dos ryokans. O jetlag foi dando trégua e entramos em outro ritmo, mais lento e leve, próprio para experimentar a alegria de sentar-se em um jardim zen.

Claro que faltou tempo. O Japão é muito mais do que isso. Mais do querer, sinto que preciso voltar.

Veja as fotos do Japão no nosso acervo. 

————

In Japan – 2015 from Vincent Urban on Vimeo.

Ficou com vontade de ir pro Japão? Aqui você encontra dicas e posts para começar a se planejar.

Ao contrário do que se imagina, é possível encontrar passagens baratas. Nós viajamos com a Qatar e encontramos a promoção pelo site Melhores Destinos.

Share on FacebookPin on PinterestTweet about this on TwitterEmail to someoneGoogle+
por Saudades Edições Fotográficas

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *