Barbara Bombachini – Por trás da foto

montanhas avermelhadas pela luz do amanhecer fotografia de Barbara Bombachini

Por trás da foto é uma série de entrevistas com os fotógrafos que fazem parte do acervo da Saudades para falar de fotografia e inspiração. Este mês conversamos com Barbara Bombachini, a mais aventureira entre nossos artistas.

Como a fotografia entrou na sua vida?

Eu sempre gostei muito de artes e, quando criança, passava mais tempo desenhando do que brincando. Gostar de fotografia foi um pulo, comecei a ver as fotos de Ansel Adams e me interessar por esse mundo misterioso.

Ainda adolescente, busquei um curso gratuito oferecido pela prefeitura e depois fui aceita como assistente no laboratório. Dessa forma tive o privilégio de aprender a revelação preto-e-branco em laboratório e comprei minha primeira câmera reflex. Era uma Pentax K1000 que de vez em quando ainda coloco para rodar!

Sempre gostei de fotografar pra mim, mas foi só depois de um mochilão de 1 ano sozinha pela América Latina que decidi estudar seriamente e encarar a fotografia como profissão.

Quais são as suas influências pessoais? O que ou quem te inspira?

Eu gosto muito de ver todo tipo de foto.  Busco entender o que e porque eu gosto e o que me chama atenção em cada trabalho.

Além de fotografias, exposições, blogs, eu me inspiro bastante em filmes. Admiro muito o cinema como linguagem. A narrativa, os elementos, a fotografia cinematográfica e a atmosfera criada alimentam indiretamente meu trabalho.

Quem são seus fotógrafos preferidos?

Existem muitos fotógrafos geniais por aí e eu acompanho de verdade o trabalho de muita gente, em diversas áreas.

Gosto muito dos retratos de Jan Eric Euler e as fotos de viagem do Travis Burke. Como possuo um gosto especial por paisagem e esportes outdoor, admiro bastante o trabalho do Chris Burkard, Jimmy Chin, Renan Ozturk, Bernardo Gimenez, Killian Schonberger, Edward Burtynsky, entre vários outros.

Você não só viaja pra fotografar, também faz mountain bike, trekking, escalada… Como é essa relação entre esporte, viagem e fotografia?

É uma relação linda mas com muitos poréns! Recentemente sofri um acidente de mountain bike que além de me impossibilitar fotografar por um tempo ainda me mantém temporariamente afastada da escalada.

Também há de se considerar o peso extra do equipamento fotográfico, o que geralmente significa carregar apenas itens essenciais e ainda assim levar peso extra.
Fotografar e praticar esportes é a forma que eu encontrei ser ideal para estar no mundo, explorar a natureza e me expressar.

Quais foram seus destinos favoritos? 

Tokyo, Torres Del Paine, Serra Fina, Chapada dos Veadeiros…

Qual o próximo destino?

Acabei de voltar de Foz de Iguaçu e agora estou planejando visitar São João Del Rei ou a Serra do Cipó, ambos em Minas Gerais.

Conta pra gente qual sua foto favorita no acervo da Saudades? Por que ela é especial?

Minha foto preferida definitivamente é a “Las Torres no.1”. Nesse dia levantamos as 3hs da manhã para subirmos até as Torres antes do nascer do sol. A previsão do tempo não era boa. Choveu na noite anterior e ainda estava nublado com leve chuva. Chegamos e tudo era cinza, com pouca visibilidade, muito frio e muito vento. Eu desci em direção ao lago e, enquanto fotografava as nuvens voando baixo e rápido, ouvi um fotógrafo japonês dizendo algo como “uau”. Quando me virei para olhar, uma nuvem havia se dissipado e pudemos vislumbrar esse espetáculo que durou poucos minutos. Eu que já estava completamente resignada com a frustração de um dia cinza, fui surpreendida por um golpe de sorte que me rendeu uma foto cheia de cor e vida, e ainda um arco-íris surpresa. No dia seguinte, nevou no pico das Torres e no acampamento base.

Conheça o trabalho da fotógrafa Barbara Bombachini no acervo da Saudades.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *